Bem-vindo Convidado, Gentilmente Conecte-se | Registro

Messi vai travar chifres com Lewandowski no canto do cisne da Copa do Mundo

By - | Categories: EsportesEtiquetas:

Share this post:

Lionel Messi Lionel Messi sabe que tem uma última chance de vencer a Copa do Mundo com a Argentina, que chegará ao Catar invicta em 35 partidas após uma campanha impressionante nas eliminatórias e o triunfo da Copa América do ano passado no Brasil. O sete vezes vencedor da Bola de Ouro está pronto para enfeitar sua quinta e última Copa do Mundo, quatro anos após a turbulenta campanha da Argentina na Rússia, que terminou nas oitavas de final. Lionel Scaloni, assistente de Jorge Sampaoli em 2018, desde então assumiu o cargo principal e promoveu a crença genuína de que a Argentina pode vencer uma terceira Copa do Mundo que lhes escapou por pouco após uma derrota na prorrogação para a Alemanha na final há oito anos. "Estamos ansiosos, vamos lutar, não temos medo de ninguém porque estamos prontos para jogar contra qualquer um", disse Messi à Directv Sports no mês passado. "Acho que o primeiro jogo é muito importante porque começar com uma vitória te dá paz de espírito." A Argentina ficou no empate por 1 a 1 com a estreante Islândia, quando Messi perdeu um pênalti em sua partida de abertura na Rússia, dando o tom para um torneio desastroso. Eles serão fortemente favorecidos para liderar o Grupo C, à frente de México e Polônia. Seu primeiro jogo é contra a Arábia Saudita – liderada pelo técnico Herve Renard, duas vezes vencedor da Copa Africana de Nações – que está determinada a não simplesmente compensar os números. Chegar à fase eliminatória não tem sido um problema para o México, que surpreendeu a então campeã Alemanha na primeira rodada na Rússia apenas para se deparar com o Brasil e sofrer sua sétima eliminação consecutiva nas oitavas de final. O veterano meio-campista Andrés Guardado deve se juntar a Messi para participar de uma quinta Copa do Mundo. Sua estreia final veio em uma derrota no último 16 para a Argentina na edição de 2006 e ele compartilha o recorde de mais internacionalizações do México com 177 ao lado do lendário Claudio Suárez. O México foi novamente eliminado na mesma fase pelos mesmos adversários quatro anos depois, mas El Tri espera que, com a visão de Gerardo Martino, ex-técnico da Argentina e do Barcelona, eles possam superar o que se tornou um obstáculo muito familiar. – Lewandowski 'magoado' com fracasso em 2018 – Para um jogador que fez cair recordes de golos, Robert Lewandowski ainda não deixou a sua marca num Campeonato do Mundo e continua a ser, sem dúvida, a chave para o destino da Polónia. O jogador de 34 anos marcou nove vezes em outras tantas partidas quanto a Polônia carimbou sua passagem para o Catar, levando sua vantagem para 25 gols em 19 jogos nas duas últimas campanhas de qualificação para a Copa do Mundo. A Polônia se classificou mansamente na fase de grupos em 2018 e continua sendo um ponto dolorido para Lewandowski. "Essa foi uma das maiores decepções da minha carreira", disse ele ao site da Fifa. "Não tive chances, não marquei um único gol e isso ainda dói." O atacante do Barcelona, capitão da Polônia e maior artilheiro de todos os tempos, terá que liderar a partir da frente se seu país quiser chegar à fase eliminatória pela primeira vez desde 1986. Lewandowski, que foi derrotado de forma controversa na Bola de Ouro do ano passado por Messi, aguarda ansiosamente a chance de enfrentar o argentino e, talvez, acabar com seus sonhos de Copa do Mundo de uma vez por todas. "Com uma lenda absoluta como Leo Messi como sua figura de proa, não há dúvida de que será nossa partida mais difícil. Vai ser ótimo assumir um time tão grande com jogadores tão talentosos", disse.